Sábado, 25 de maio de 2024, responsável técnico Renyere Trovão Soares DRT-PR 3499

Telefone: (66) 9256-9631 | E-mail: contato@regiaoleste.com.br

Gasolina tem alta nesta semana e chega a ser vendida a quase R$ 8 em varias cidades do Brasil.

03/05/2024

Último reajuste linear da Petrobras foi há seis meses; em relação ao mercado internacional, preços nas refinarias têm defasagem de 18%

O preço dos combustíveis registrou alta na semana de 21 a 27 de abril, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O maior aumento, na comparação com a semana anterior, foi registrado pela gasolina, o diesel e o gás também sofrem reajuste pelo governo Federal. De acordo com a ANP, o preço médio do litro da gasolina ficou em R$ 5,84 o litro; o do diesel, em R$ 5,96; e do gás de cozinha, em R$ 101,82. O menor e o maior preço da gasolina foi encontrado no estado de São Paulo, a R$ 4,69 e R$ 7,97, respectivamente. O gás de cozinha mais barato também foi encontrado em São Paulo, a R$ 69,99, e o mais caro, segundo a ANP, no Amazonas a R$ 150,00. O preço mais baixo do diesel S10, o menos poluente, era de R$ 5,09 por litro, e o mais caro, R$ 8,49 o litro, ambos em São Paulo e em todos os estados brasileiro. Os preços dos combustíveis no Brasil estão praticamente estáveis este ano, refletindo o comportamento das refinarias da Petrobras, estatal responsável por 80% do mercado nacional. Com a nova política da companhia, anunciada em maio do ano passado, são realizados ajustes pontuais com os clientes, dependendo do mercado. Em relação à gasolina, o último reajuste linear da Petrobras foi em 21 de outubro do ano passado, e do diesel, em 27 de dezembro. Em relação ao mercado internacional, os preços nas refinarias da estatal registram defasagem de 18% e 7%, respectivamente. A Acelen, que controla a Refinaria de Mataripe, na Bahia, responsável por 14% do mercado brasileiro de refino, faz reajustes semanais. Na última quarta-feira, Mataripe reduziu o diesel S10 em cerca de 2,3%, e a gasolina em cerca de 4% em alguns mercados. Mesmo assim, os preços da refinaria baiana estão cerca de 20% acima dos preços da Petrobras. Abel Junior

Anuncio

Grupo de notícia Economia